Não posso fazer essa despesa - II

Evan Hill

O filho de um pequeno sitiante que conheci, muitas vezes se acabrunhava por não poder manter o padrão de vida de alguns de seus colegas de famílias abastadas. Certa noite ele ouviu em silêncio o pai de seu amigo predileto, diretor de uma companhia, aconselhando seu pai a que o mandasse passar as ferias de Natal esquiando na Suíça.

— O menino passará umas férias inesquecíveis - observou o diretor.

— Acredito - respondeu o pai do rapazinho - mas nós não podemos fazer essa despesa.

Seguiu-se um longo silêncio entre os dois homens e o jovem que ouvira o diálogo. Ate que o diretor estendeu subitamente a mão ao seu interlocutor, dizendo:

— Nem eu, meu caro amigo.

Mais tarde o filho do sitiante me contou que quase chorou de puro orgulho do pai.

— Naquele momento foi para mim como se ele tivesse três metros de altura - comentou - nunca mais em toda minha vida me constrangi por não dispor de dinheiro.

Daquela conversa, entendi que a lição que lhe dera o pai o tornara capaz de encarar a si mesmo e aos colegas com honestidade, sem recorrer a falsas aparências ...

(Trecho extraído de um artigo publicado na revista Seleções do Reader's Digest - maio de 1965)

Texto enviado por Aylzo A. L. Almeida