Por pura teimosia

Cláudio Moreno

Porto Alegre, 12 de setembro de 2006, Zero Hora, Edição nº 14994

De todos os povos da antiga Grécia, os espartanos eram os que menos se pareciam conosco. Eles riam pouco, quase não falavam e eram demasiadamente belicosos para nosso gosto, mas estou certo de que nos deixaram algum exemplo aproveitável - como o do teimoso capitão que ficou imortalizado na batalha de Platéia, quando Esparta e Atenas derrotaram os persas comandados por Mardônio. Por vários dias, numa planície da Beócia, gregos e persas vinham se estudando à distância, aguardando o momento propício para atacar. Como a água estava escassa, o alto comando grego decidiu aproveitar a escuridão da noite e recuar seu exército para uma região mais rica em fontes e mananciais. Os atenienses receberam a ordem sem discutir, mas o mesmo não ocorreu entre os espartanos: Amonfareto, chefe de um batalhão, recusou-se a obedecer, dizendo que ele e seus homens estavam ali para enfrentar os bárbaros que ameaçavam sua pátria e não iriam partir sem lutar. Os chefes alegaram que isso já estava decidido, mas ele redarguiu, indignado: "Pois eu voto por ficar!" - e, abaixando-se, pegou uma pedra no chão e foi depô-la aos pés do comandante geral, exatamente como se votava nas assembléias de Esparta.

Como ninguém queria deixá-lo para trás, começaram a discutir, tentando convencê-lo a partir. Enquanto isso, os atenienses, que tinham começado a retirada, detiveram-se alguns quilômetros depois, ao perceber que seus aliados espartanos não se moviam do lugar. Quase ao amanhecer, mandaram um mensageiro até lá; ele voltou perplexo, informando que todos estavam empenhados numa discussão acesa. Quando o dia raiou, os persas viram o campo grego praticamente deserto: avistaram apenas a retaguarda do exército espartano - ao qual se juntara Amonfareto, ainda relutante - que se afastava, aos poucos, por trás de uma colina. Mardônio mandou apenas a cavalaria partir em seu encalço, mas os demais chefes persas, imaginando que os gregos tivessem se acovardado, abandonaram suas posições e avançaram desabaladamente, preparando-se, não para combater, mas para caçar fugitivos apavorados. O resto é história: os espartanos fizeram frente à primeira onda de ataque, os atenienses voltaram para socorrê-los e os exércitos desordenados de Mardônio sofreram uma derrota fatal.

O que o espartano queria? Apenas participar, com uma pedrinha que fosse, da marcha dos acontecimentos. Podia simplesmente acompanhar os outros, mas não quis renunciar ao direito de expressar sua opinião na assembléia - no que estava certo, pois seu voto terminou afetando o desenrolar da batalha. Essa saudável vontade de influir, de ter algum peso, por ínfimo que seja, no curso da História talvez seja a última ilusão que ainda me resta. Sei que muitos, por cansaço ou desencanto, já desistiram, e parecem não mais se importar se o seu candidato mentiu, roubou ou traiu os princípios que jurava defender na eleição passada - mas eu me importo. Por pura teimosia.