Como

Deficiências

Mário Quintana

O verdadeiro analfabeto é aquele que sabe ler mas não lê.

Dupla delícia: o livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado.

A alma é essa coisa que nos pergunta se a alma existe.

Uma vida não basta ser apenas vivida: também precisa ser sonhada.

O segredo é não correr atrás das borboletas. É cuidar do jardim para que elas venham até você.

O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser.

Tão bom morrer de amor e continuar vivendo.

A amizade é um amor que nunca morre.

Com o tempo, você vai percebendo que, para ser feliz, você precisa aprender a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você.

Se me esqueceres, só uma coisa, esquece-me bem devagarinho.

"Deficiente" é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.

"Louco" é quem não procura ser feliz com o que possui.

"Cego" é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.

"Surdo" é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.

"Mudo" é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

"Paralítico" é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

"Diabético" é quem não consegue ser doce.

"Anão" é quem não sabe deixar o amor crescer.

E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois: "Miseráveis" são todos os que não conseguem falar com Deus.

Mário Quintana (Alegrete, 30 de julho de 1906 - Porto Alegre, 5 de maio de 1994). Poeta, tradutor e jornalista brasileiro.